domingo, 3 de janeiro de 2010

FAMILIA ALMEIDA PRADO : Tudo começou em Itu

Arquivo Pessoal
Lourenço Avelino de Almeida Prado, bisavô de Raul Almeida Prado, com filhos e netos
No sábado, 13 de setembro de 2008,  a Família Almeida Prado comemorou 150 anos de moradia na cidade de Jaú. O evento tomou grandes proporções e recebeu cerca de oitocentas pessoas, entre familiares próximos e distantes. Saiba detalhes sobre a festa.

Mas afinal, quem é a família Almeida Prado? E o que Itu tem a ver com essa história? Na verdade, tudo e todos estão conectados de alguma forma. Seja pelo laço de sangue, pelas memórias de infância ou mesmo pelas histórias contadas na mesa de almoço, rodeada por uma grande família.

O fato é que Jaú foi fundada e colonizada por ituanos, na época do ciclo do café, em meados do século XIX. Foi daqui que muitas famílias partiram para outras cidades da região, em busca de terras férteis e fazendas prósperas para o seu plantio. Assim conta – Maria Olympia Vaz Prado Alves (nome de solteira, pois seu pai e alguns irmãos não assinavam o Almeida no sobrenome), chamada carinhosamente por Marôla. “Papai contava que as fazendas em Itu já estavam exauridas e havia outras terras mais férteis. Lembro-me dele contando essas histórias de nossos antepassados, quando eu tinha 14 anos”.


Há seis anos, por destino ou acaso, Maria Olympia veio morar em Itu com o marido, filha e netos. Mas sua história com a cidade é viva pelos seus antepassados que aqui habitaram. “Vovó era a aluna predileta da Madre Maria Theodora, conta emocionada. A história de sua família valeria um livro. Cada passagem é digna de ser apreciada.
e apontar seus parentes nas fotos”, conta rindo.
Olympia não nasceu em Itu, mas sempre ouviu muitas histórias em casa. “A mamãe dizia que o papai vinha para Itu e visitava o cemitério todos os anos, pois é aqui que estavam enterrados seus parentes. Outra coisa que meu avô gostava de fazer era entrar no Museu Republicano

Uma história semelhante, de retorno às origens, é contada também por Raul Almeida Prado, que veio morar em Itu há 10 anos e atualmente gerencia a Fazenda Capoava, com sua esposa Beatriz e o irmão Paulo Almeida Prado. Raul é tataraneto de Francisco de Paula Almeida Prado, um dos 20 filhos do Capitão-Mór de Itu, João de Almeida Prado, conhecido como Coluna de Itu. Ele conta que seu tataravô saiu de Itu com 5 dos seus irmãos e foi morar em Jaú, onde compraram a Fazenda Pouso Alegre, propícia ao plantio de café. “Toda a minha família é de Jaú”, conta Raul, que por conta da festa resolveu colaborar com fotos e informações para o blog dos 150 anos e acabou aprendendo e gostando da vida de blogueiro.

Destino ou coincidência?
A história de Maria Olympia protagoniza muitas vidas que, assim como ela, voltaram a Itu como uma espécie de retorno às origens. “Acho que voltar para Itu estava escrito nas estrelas! Eu sinto essa volta como um resgate das minhas raízes”, diz emocionada.

Raul Almeida Prado tem uma história interessante: por pura coincidência - ou destino para os que acreditam – voltou às origens ituanas há mais de quinze anos. Primeiramente, gerenciando o turismo rural da fazenda Pirahy, cuja sede foi do avô do seu tataravô. Por vários anos, Raul cuidou das cavalgadas na fazenda, uma atividade forte no Turismo Rural em Itu, e que na época era ainda insipiente.

Em 2000, seu irmão Paulo Almeida Prado, juntamente com a esposa Maria Alice Setúbal (Neca) comprou a antiga fazenda Japão, que foi totalmente reformada e é hoje a famosa Fazenda Capoava, responsável pela grande projeção do Turismo Rural em Itu. De fazenda em fazenda, Raul nunca mais saiu de Itu e se identifica totalmente com a vida de fazendeiro.

Onde estão os Almeida Prados?
A saga da família Almeida Prado começou com João de Almeida Prado, capitão-mor de Itu, uma espécie de administrador da cidade, que teve 20 filhos, dos quais seis foram para Jaú. Lá, os seis irmãos fixaram residência, lavrando a escritura da Fazenda Pouso Alegre, primeira propriedade local da família , em setembro de 1858.

Nascidos de famílias grandes com numerosos filhos, os Almeida Prados se espalharam pelo Brasil. A prática de casamento entre primos era comum. E os nomes, homenageando antepassados, emprestam à família certa confusão para entender quem é quem. Por esse motivo, nomes se repetem e sobrenomes se misturam, fazendo com que alguns sobrenomes como Paula Leite, Arruda Botelho, Pacheco e Camargo se tornem comuns e parte da grande família Almeida Prado.
Estima-se que hoje existam cerca de 5.000 descendentes da Família Almeida Prado no Brasil. A maioria está em Jaú e gira em torno de 300 a 400 pessoas. Mas outras cidades também importantes no cenário da família se mostram presentes, como Santos, Orlândia, Ribeirão Preto, Indaiatuba, Porto Feliz ou mesmo Itu, entre outras.

Mergulhar na história dos Almeida Prados é uma verdadeira aventura. Vários nomes se repetem, reescrevendo a história ao longo das gerações. Enormes mesas de almoço, aromatizadas com quitutes da vovó, estão no imaginário de muitos familiares. Crianças correndo com seus lindos vestidos engomados, sob a proteção da tradição e do respeito, aparecem nas fotos e acordam lembranças.

Embora espalhada pelos quatro cantos do nosso grande Brasil, ou mesmo além das fronteiras, a saga da grande família Almeida Prado continua. Para preservar sua memória e garantir continuidade, basta que continuem existindo pessoas para honrar essa ancestralidade e contar as histórias...

Clique e abra as páginas nas frases em vermelho

2 comentários:

Camilla de Pieri disse...

Gostaria muito de saber se alguém ou algum lugar, ficou com os registros da fazenda Pouso Alegre. Meu bisavô morou e morreu lá. Temos tantas dificuldades em localizar informações, e talvez registros da fazenda, tirasse algumas de nossas dúvidas! Se alguém souber de algo, por favor me avise.
Obrigada!

Ogair disse...

Camila, para saber sobre a Fazenda Pouso Alegre, envie email p/ almeidaprado150jahu@gmail.com,
que minha prima enviará p/ a lista, mas não é garantia de que obteremos essa informação. abçs