domingo, 7 de março de 2010

FAMILIAS NOBRES


Das minhas Familias pesquisadas até agora, encontrei apenas 5 famílias que tiveram origem na Nobreza,  São elas:




 FAMILIA TORAZZI

Ano de 1624: (A ilha de Córsega pertenceu a Itália até o ano de 1768).

Ghjuvanni Paulu Torazzi e Mighell Torazzi : (século XVII)

Em 1624, a família TORAZZI aparece no cadastro das famílias nobres da Córsega (Registri delle Nobili di Córsega), Génova.

"Corso seis famílias estão nas famílias Registro delle Nobili di Córsega:" Eles são os de Petru Simone Frediani, di Penta Casinca de Lugu Maria Costa, de Ruglianu, de ANGHJELU Francescu e Carlu GHJUVANNI MARIANI de Ruglianu de Ghjacumu Susini, de Audde de MIGHELL e GHJUVANNI PAULU TORAZZI, Sarti, e Petru Paulu Lécera de Zicavu.

(Época do Cardeal Richelieu e do Rei Louis XIII, de França).

A França se apoderou da Ilha de Cóserga, no ano de 1768, (esta ilha Pertência a Itália),  um ano antes do nascimento de Napoleão Bonaparte (1769). A relação não resolvida entre a Córsega e a França, que a governou por 240 anos, manifesta-se não só a partir do apego de seu povo para as suas tradições e sua língua (u Corsu, como "linguagem poderosa, e o mais italiano entre os dialetos da Itália", por Niccolò Tommaseo) por indicadores estatísticos revelam que a crise económica e social (perene último colodado do país francês por nascimento e emprego), e seus fortes impulsos de autonomia e independência, que colidem com a Constituição francesa.


FAMILIA PERUZZI

É uma Família  Nobre de  Florença, conhecida desde o século XII.  Segundo alguns historiadores o nome vem da dinastia "dos Petrus".


Já outros historiadores dizem que: Perrucci é tipicamente de Puglia, Teatina, e de Nápoles, um pouco menos comum. Tem uma extensão em Ugento em Torchiarolo em Brindisi e Lecce, em Crotona e uma pequena em Siracusa, que resultaria do nome medieval Perruccio, apontado como beneficiário no testamento do Conde  Mateus Peruccio em 6 de setembro do ano de 1354, hypocoristic do nome Petrus.

São mencionadas por Dante Alighieri no décimo sexto canto da Divina Comédia, e afrescos de Giotto na capela particular em sua Santa Croce em Florença. Sua fama era ligada ao comércio e aos bancos e foram uma das famílias mais ricas da Europa.

Sua riqueza foi significativamente reduzida em outubro de 1343, na sequência do não pagamento do empréstimo feito ao Rei Edward III da Inglaterra, quando este declarou guerra a França. Uma soma vultosa de 900.000 florins de ouro. A familia não ficou falida pois pegou parte dos emprestimos em terras, Castelos e Títulos  Nobres.

Um desses, O Palácio Peruzziestá localizado na Piazza dei Peruzzi  (Praça Peruzzi),  no centro histórico de Florença.  Possuíram numerosos Castelos  e  prédios de apartamentos nesta área, que era perto das muralhas medievais alta, perto de uma porta chamada Porta precisamente Peruzzi. Entre estes, o Palazzo Peruzzi, Bourbon Palazzo, hoje do Monte em Borgo dei Greci. Ele data do século século XIII, e aqui foi entretido algumas personalidades famosas, como Robert de Anjou e João VIII, Paleólogo, este ultimo participou  no Concílio de Florença, em 1439. La Piazza Peruzzi ser imaginada como uma espécie de pátio, rodeado por torres, edifícios e prédios da poderosa família, em um complexo sistema fechado para fins defensivos.  A torre mais visíveis hoje reside no Malenchini Palazzo, onde entre outras coisas, o centro de uma janela de buffer, existe um décimo quinto bas-century-relevo representando São Bartolomeu.



 FAMILIA BASSO

Historicamente, o ramo da família descende de GIOVANNI BASSO, de Albissola, (perto de Savona). Foi capitão dos exércitos do Marquês de Montferrat. Foi Conde e Senhor do Mosteiro, Conde e Senhor de Restagno, e admitido entre os nobres da Canopy de Casale, que se uniram em matrimônio com Luchina della Rovere, sobrinha do Papa Sisto IV, e tia do Papa Julius II (que começou a construção da Basílica de São Pedro, em Roma,  residência dos Papas.)

(Papa Sisto IV (de 9.8.1471 a 12-8-1484) cujo nome era Francesco della Rovere)

Após o casamento do Conde GIOVANNI BASSO com LUCHINA DELLA ROVERE, o que aumentou muito a  fortuna da família, devido o dote da noiva, e cujos membros da familia, durante o Renascimento, ocuparam posições de prestígio no Judiciário, no militar, no civil e religioso, entre os reinos e senhorios existentes na época em Itália.

Entre as coisas, a casa BASSO, passou a ser atribuído com o título "Patrizio Napoletano" no Colégio dos Nobres, no banco Portanova, e foi incluída entre as famílias nobres de Mount St. Angelo e Giffoni Valle Piana.



FAMILIA CARDUCCI
Família Carducci foi dividida em 2 ramos: Artênísio Carducci e Agostinho Carducci, nascidos no século XVII, são da mesma família de São João Gualberto Carducci, cuja estátua adorna a Capela contruída ao lado do palácio Carducci. (veja a história de São Gualberto Carducci, neste Blog).

A familia Carducci representou uma família antiga e nobre florentina, cujos componentes são os mais altos cargos das instituições comunitárias, incluindo as Gonfaloneiro e Prior, mas devido a desentendimentos com o advento do Médici, foi forçado ao exílio . O ramo de Artenisio Carducci, mudou-se para Puglia, e a presença de Taranto começou com a nomeação do Nobre Filipe Carducci, Capitão e Governador da cidade de Charles VIII de França. Ao longo do tempo, os descendentes relacionadas como as nobres famílias locais, de modo que o Carducci deu um total de 14 prefeitos em Taranto.

O Brasão da família são dois enormes Leões em uma cabeça coroada, um escudo na parte superior, que, em um campo de vermelho, é a águia de ouro adornado por uma Cruz de Malta, enquanto a parte inferior, preto com bordas brancas com uma faixa de ouro em toda sob a palavra "Liber não ferox".

O Palazzo Artêmio Carducci, de Taranto é um dos poucos edifícios na vila antiga que conserva as características originais nobre. Foi construído em mil e seiscentos por Ludovico Carducci, um descendente de uma família nobre de Florença. A entrada do edifício está localizado em Vico Seminário.

O prédio sempre foi habitada por descendentes de Carducci, que têm preservado as características típicas das casas senhoriais, ao executar a restauração do interior e fachada. Em 1902 ele deu hospitalidade ao Presidente do Conselho de Ministros Giuseppe Zanardelli.

No início do século XIX, o Conde Ludovico Carducci, prefeito de Taranto, construiu uma capela, ao lado do Palácio, onde preserva uma preciosa relíquia da Cruz de Jesus Cristo. Estão também preservados porcelanas antigas, tapetes orientais e móveis antigos.


FAMÍLIA BEVILACQUA


 Lórigine dei cognomi Bevilacqua

Bevilacqua, Rica familia de Verona, absolutamente Panitaliano. O Cognome pode resultar tanto de sobrenomes provavelmente relacionado com um amor especial para o vinho, tanto de nomes de lugares como Bevilacqua (FE) - (RV) - (BO) ou outros; exemplo dessa prática é encontrada em um artigo de 1050, onde lê: "...Gregorius qui dicitur bibit aquam ...".  A família nobre Veronese de Bevilacqua é nativa da Ala (TN) em 1300, Gugliemo Bevilacqua, tornou-se Vassalo do Bispo de Verona, da Familia Scaligeri,  e por isso, sua família cresceu em importância. Seu filho Francisco Bevilacqua, tornou-se embaixador e recebeu homenagens do Visconde Carraresi e  do Papa Clemente VI.


Durante o dominio do Bispo Scaligeri,   por volta de 1336, Gugliemo Bevilacqua, tenente de  Padova,   por bons serviços prestados a famiglia Scaligeri, ganhou terras e foi autorizado a construir um  magnifico castello nesse território,  denominando-o  com o nome de sua familia, Palazzo Bevilacqua.  


O brasão de armas da familía, recorda as origens e as vicissitudes que marcaram o território Bevilacqua, em particular, dois símbolos fundamentais, a asa e o castelo, o primeiro sinal do lugar de origem da família Bevilacqua (Ala (Trento)); o símbolo, segundo a família nobre do território, que o município também deixou o seu nome.

O Palácio Bevilacqua, construído no ano de 1.336, por Gugliemo Bevilacqua, para moradia da sua familia,   está localizada em Corso Cavour, uma representativa estrada de Verona. Localizado próximo ao Porto de Borsari, que é uma construção romana da segunda metade do século I, com dois arcos que suportam uma dupla face ricamente decorada.  Ao longo dos séculos, foi muito danificado, por causa das inúmeras guerras contra a República de Veneza, que ele havia tomado posse. A partir de 1532, presumivelmente, Gianfrancesco Bevilacqua, pediu a modernização completa da construção, que foi assim transformado em um Palácio equipado com interiores novos e mais confortáveis. Em 1756 Gaetano  Bevilacqua,  retomou o trabalho, restaurando grande parte do interior do castelo, que mais tarde, em outros conflitos com a familia,  foi incendiada por tropas Austríacas. Para isso, ele foi novamente remodelado em 1860,  por Felicita Bevilacqua e seu marido, que deu todo o quadro complexo, de acordo com o estilo neo-gótico romântico da época.



FAMILIA PASCINI

A nobreza da família Pacini, vem do título de nobreza hereditário de Lucca Pacini. Foi concedido em 27 de outubro 1849 pelo Grão-Duque da Toscana,  Leopold II de Lorena ao famoso compositor e mestre Giovanni Pacini Vincenzo Benedetto,  (nascido na Comune di Catania,  a 11 fevereiro de 1796).  O mesmo foi o cavaleiro Aurata Militia, em seguida, Ordem de São Silvestre; condecorado com a Cruz de St. Louis da segunda classe.


CLIQUE ABAIXO E LEIA SOBRE AS FAMÍLIAS:


Familia BASSO 
Familia CARDUCCI (Carduci)
Familia PERUZZO (Peruzzi, Peruzo, Perusso, Perucco)
Familia TORAZZI (Torassi, Toracci, Toraci, Toracio
Familia Bevilacqua
FAMILIA PASCINI


Quem tiver informações, ou precisar de infomrações, favor entrar em contato pelo email: ogair.toracio@gmail.com

Obrigado







  

Nenhum comentário: