sexta-feira, 1 de janeiro de 2010

SAGA DA FAMILIA BASSO

L’ORIGINE DEÍ COGNOMI BASSO (de um site Italiano)

Basso ha una grossissima presenza al nord, in Piemonte, Lombardia e soprattutto Veneto, con presenze significative anche in Lazio, Puglia, Campania e Sicilia, Bassotti ha un ceppo marchigiano nell'anconetano ad Jesi ed Ancona e nel pesarese a Mondolfo e Fano, ma il nucleo più importante è a Roma, possono avere diverse origini che derivando dal cognomen latino Bassus, sia direttamente che tramite ipocoristici, come possiamo vedere in un Instrumentum venditionis del 1502 a Bergamo dove è citato un tale Bassettus de Gerardis della Costa, o derivando anche dal soprannome con riferimento alla bassa statura. Un ramo lodigiano della famiglia Bassi compare dal 1500, famiglia nobile che diede Decurioni alla città.
(i Decurioni erano i Consiglieri della consulta nobiliare della città), nella seconda metà del 1600 a Trento troviamo il Cancelliere Claudius Vigilius Bassettus cancellarius.




Historicamente, o ramo da família descende de  GIOVANNI BASSO, de Albissola, (perto de Savona). Foi capitão dos exércitos do Marquês de Montferrat. Foi Conde e Senhor do Mosteiro, Conde e Senhor de Restagno, e admitidos entre os nobres da Canopy de Casale, que se uniram em matrimônio com Luchina della Rovere,  sobrinha do Papa Sisto IV, e  tia do Papa Julius II.

(Papa Sisto IV (de 9.8.1471 a 12-8-1484) por século Francesco della Rovere)

Após o casamento de GIOVANNI BASSO  com LUCHINA DELLA ROVERE, o que aumentou muito a a fortuna da família, devido o dote da noiva, e  cujos membros da familia,  durante o Renascimento, ocuparam posições de prestígio no Judiciário, no militar, no civil e religioso, entre os reinos e senhorios existentes na época em Itália.

Entre as coisas,  a casa BASSO, passou a ser atribuído  com o título "Patrizio Napoletano".  No Colégio dos Nobres, No banco Portanova, e para ser incluída entre as famílias nobres de Mount St. Angelo e Giffoni Valle Piana.

Notícias que foram comprovados por documentos que existem na família BASSO,  parcialmente perdido na sucessão (ramos, especialmente do sexo feminino), parcialmente perdido durante a Segunda Guerra Mundial.

De modo que para obter detalhes históricos que ainda dá um sentido real da pesquisa heráldica histórico-genealógica,  da família de Giovanni Basso, continua a ser um fato difícil de provar, que devem ser testados e documentados.

No entanto, existe um documento objetivo e irrefutável, que poderá ser uma direção da pesquisa útil e ir mais longe do que já foi adquirido pela genealogia subsidiária, o brasão da família Basso, representada e transmitida através dos séculos, em lápides, palácios, vilas e ônibus, ou um "leão rampante sobre um campo azul para o natural, o que rompe com a perna esquerda, uma coluna para o natural eo direito está segurando um lírio da cor idêntica."

É claro, no entanto, que no século XVI, a família já estava florescendo no território de Giffoni Valle Piana, como a história é seguro e documentado o esplendor que desfrutou por mais de 250 anos no território do Monte Santo Angelo Gargano Sul, onde ele entregue durante os séculos de grandes personalidades civis, políticos e culturais (médicos, farmacêuticos, advogados, e também os patriotas, colonos prefeitos, oficiais da Guarda Nacional, etc) ..

Actualmente, semelhante a uma planta que continua a brotar, ela se desenrola e como muitos ramos em muitas direções, todos empenhados no lado das tradições da família e profissões liberais, no entanto, parentes de consciência. de raízes comuns e de memória idênticos.


ÁRVORE DA FAMÍLIA (Ramo di Resena,   di Camposampiero,  di San Martino di Lupari, di Santa Giustina in Colle,   Treviso,   Região do Veneto))  - Minha família


GIACOMO BASSO,  (meu tataravô),   nasceu no ano de  1.822 na comune di Resena, Treviso, Região do Veneto, na Italia.  Casou-se com a sra. AURELIA BARETARI,  nascida no ano de 1.825, na mesma região.  o Casal teve vários filhos entre eles minha trisavó ANGELA BARETARI BASSO,  nascida em 12 de julho de 1858 em Camposampiero,  Treviso, Itália.


ANGELA BARETARI BASSO, (Minha Trisavó), nasceu no dia 12 de julho do ano de 1858,  em Camposampiero, Treviso, Região do Veneto, na Itália.  Viveu a infância em meio a turbulência do pós guerra italiano, que vinha buscando sua unificação, pois a Itália era até o ano de (1859), apenas uma coleção de pequenos Estados, submetidos as potências estrangeiras, diga-se,  França, Espanha, Inglaterra, etc..... 

Angela, conheceu MÁSSIMO MAGATON BORTOLETTO, nascido em 13 de abril do ano de 1853, na mesma Região do Veneto,  filho de   Luigi Bortoleto  (1813) e  de  dona Lucia Magaton (1815),   casaram-se e tiveram nove filhos, sendo que o terceiro filho do casal, o sr  AUGUSTO BARETARI BASSO MAGATON BORTOLETTO, nascido em 22/10/1883, em Camposampiero, Treviso, Itália, viria a ser o meu Bisavô.



Os italianos nessa época passavam por momentos difíceis, pois a itália estava na luta sobre a sua futura estrutura. A monarquia, na pessoa do rei do Piemonte-Sardenha, Vítor Emanuel II, apoiado pelos conservadores liberais, teve sucesso quando em 1859-1861 se formou a Nação-Estado, derrotando os partidários de esquerda, republicanos e democráticos, que militavam sob Giuseppe Mazzini e Giuseppe Garibaldi (este último veio para o Brasil onde se casou com Anita Garibaldi). A desejada unificação da Itália (até então a Itália era formada de pequenos Estados, dirigidos por nações Estrangeiras, França, Espanha, Inglaterra), se deu assim sob a Casa de Sabóia, com a anexação ao Reino de Sardenha, da Lombardia, do Vêneto, do Reino das Duas Sicílias, do Ducado de Módena e Reggio, do Grão-Ducado da Toscana, do Ducado de Parma e dos Estados Pontifícios. Mas, mesmo com a vitória, as guerrilhas e discordância continuaram por longos anos, fazendo com que o sofrido povo italiano buscasse melhores lugares para se morar.         
                                                                                                                                                          Muitas família decidiram sair da Itália e vir para o Brasil,   pois após a Libertação Escravocata,
o País estava necessitando urgentemente de trabalhadores com conhecimentos (agricultores, pedreiros, marceneiros, etc...) e o governo brasileiro, muita propaganda fez, inclusive dando as passagens gratuitamente aos imigrantes, além de serem beneficiados posteriormente com a compra de terras muito baratas.                             
                                                                                                                                                                  Os navios saiam da Itália abarrotados de famílias querendo um futuro promissor, mas não sabiam o destino a que chegariam.  Muitas famílias foram separadas no Porto de embarque,  por lotação de um determinado navio, acabavam embarcando em outro.   já,  outras foram separadas pelo  destino de cada navio, que era diferente:  Uns desembarcariam em Santos (SP), outros em Paranaguá (PR), outros em Niteroi (RJ), Florianópolis (SC), Vitória (ES) e no Rio Grande do Sul, etc....


A minha família Basso,  diga-se Angela Basso e o marido Máximo Bortoletto, com 9 filhos, chegaram ao Brasil em 27/01/1897, no navio AGORDAT,  e desembarcaram no Porto de Santos,  hospedando-se na Hospedaria São Paulo, conforme registro datado de 11/02/1897, (clique e veja),  dirigindo-se para a cidade de Ribeirão Preto-SP, Americana-SP, Ituverava-SP


Possivelmente,  outros  parentes  que saíram em Navios diferentes,   acabaram  por desembarcar em Portos diferentes - fazendo a separação da familia,  já que alguns Navios aportaram em: Vitória (ES),  Rio (RJ),  Florianópolis (SC),  Torres (RS) e Paranaguá (PR).


Quando aportaram no Brasil, compraram fazendas de café na região de Ribeirão Preto (sertãozinho, Orlândia, São Joaquim da Barra, Votuporanga, Nuporanga, etc....). Posteriormente alguns descendentes, adquiriram fazendas nas regiões de Assis e Candido Mota, também no estado de São Paulo.


Os filhos de  Mássimo e Angela Baretari Basso Magaton Bortoletto :


Ermínia Baretari Basso Magaton Bortoletto, nascida em 15/04/1880 - San Martino di Lupari, Treviso, Itália
Luigi Baretari Basso Magaton Bortoletto, nascido em 15/01/1882 - Santa Giustina in Colle, Treviso, Itália, casou com Giuseppina Squarise em 1906 no Brasil.. Deste casamento nasceu Antonio squarise Baretari Basso Magaton Bortoletto.
Augusto Baretari Basso Magaton Bortoletto (meu Bisavô), nascido em 22/10/1883 - Camposampiero, Padova.
Maria Baretari Basso Magaton Bortoletto, nascida em 10/01/1886 - Camposampiero, Padova, Itália.
Rafaella Baretari Basso Magaton Bortoletto, nascida em 07/10/1887 -  Camposampiero, Padova, Itália
Lucia Baretari Basso Magaton Bortolettonascido em 28/03/1889 - Ribeirão Preto -SP, Brasil
Domenico Baretari Basso Magaton Bortolettonascido em 16/01/1891 - Ribeirão Preto -SP, Brasil
Ricardo Baretari Basso Magaton Bortolettonascido em 07/12/1892 - Ribeirão Preto -SP, Brasil
Clementina Baretari Basso Magaton Bortolettonascido em 26/09/1895 - Ribeirão Preto -SP, Brasil

Casaram-se AUGUSTO BARETARI BASSO MAGATON  BORTOLETTO, e a sra ALBINA BEGUE, na cidade de Orlândia-SP,  na fazenda onde trabalhavam, no ano de 1903 e tiveram seis filhos, sendo que a primogenita, a sra MARIA Begue Baretari Basso Magaton BORTOLETTO, nascida em 1904, nessa mesma cidade, viria ser minha avó.

Seus filhos - todos nascidos na cidade de Orlândia, Estado de São Paulo.

MARIA  Begue Baretari Basso Magaton Bortoletto – Orlândia-Sp-1904/1982)
ANGELINA  Begue Baretari Basso Magaton Bortoletto – Orlândia-Sp
ALCIDES  Begue Baretari Basso Magaton Bortoletto – Orlândia-Sp
REINALDO Begue Baretari Basso Magaton Bortoletto – Orlândia-Sp
AURÉLIO Begue Basso  Magaton Bortoletto – Orlândia-Sp
IDA  Begue Baretari Basso  Magaton Bortoletto – Orlândia-Sp


Por volta da década de 20, do século passado, o Governo Paulista, começou a incentivar a abertura de novas Terras na Região de Assis-SP, pois até então aquele lugar era o fim do Brasil, já que, depois de Assis, tudo não passava de Florestas fechadas, (digo, norte do Paraná, Mato Grosso, Goiás, Acre, Tocantins, etc...). Sendo assim, meus bisavós decidiram mudar para as novas e promissoras Terras.

Já em 1.920, compraram uma grande Fazenda na Região compreendida entre Assis e Cândido Motta, ao qual deram o nome de Fazenda do Servo, onde ainda pertence a familia.

Meu Bisavô Augusto Baretari Basso Magaton Bortoletto, morreu quando eu ainda era muito criança, provavelmente no ano de 1973, eu acho, e minha Bisavó Albina Beghe, faleceu por volta de 1976.


MARIA BEGUE  BARETARI BASSO MAGATON BORTOLETTO, minha avó,  casou-se com ANTONIO JANOTTO DENADAI BUSET IGNE ROSOLEN MICHELIN GAVA, (vejam a continuação na Saga da Familia Gava  SAGA DA FAMILIA GAVA).  Foram residir na Fazenda da Pinguela, em Assis-SP, uma verdadeira mini-cidade, construída pelo meu Bisavô João Gava. Tiveram 08 (oito) filhos, São eles:  que poderiam usar o sobrenome abaixo:.


BEGUE BARETARI BASSO MAGATON BORTOLETTO JANOTTO DENADAI BUSET IGNE ROSOLEN MICHELIN GAVA (foto ao lado: Otávio, Luiza, Judite, Dulce e Darcila)

1. Joana Gava – Assis-Sp – 1928/1928 (Prematura)
2. Lídia Gava – Assis-Sp – 1930/1935 (Apendicite)
3. Rogério Gava – Assis-Sp – 1932/1933 (Pneumonia)

4Darcila Gava  – Assis-Sp – 15/03/1934 - 16/06/2010,  minha Mãe, casada com Oswaldo Pascon Bevilacqua Camolese D'Alfonso Carducci  Perucco Pentiaro Pascini Toracio, nascido em  26/11/1930 e falecido em 30/03/2011,   (foto do casamento, logo abaixo),  tiveram os filhos em Londrina-Pr, com sobrenome das familias: Begue Baretari Basso Magaton Bortoletto Janotto Denadai  Buset Igne Rosolen Michelin Gava Pascon Bevilacqua Camolese D'alfonso Carducci Perucco Pentiaro Pascini Toracio:
Ogair José, casado com Marta de Almeida Prado, e teve os filhos Thaís, Augusto e Marília, moram em Curitiba-Pr. 
- Waltercides Roberto, casado com Silvia Toffolo Campagnucci, e teve os filhos: Fernanda e Gustavo, moram em Londrina-Pr.
- Marcelo, casado com Tatiana Ribeiro, teve os filhos: Thíago e  Isabella, moram em Bandeirantes-Pr.
             
5. Luiza Gava – Assis-Sp - Nasceu em1936 e faleceu em 2011 - casada com Ovidio Orsi,  teve o filho:
Roberto Gava Orsi, nascido   na cidade de Cianorte-Pr, casado com Maria Orsi, Teve os filhos: Maria Luiza, Ovídio e Gabriel.

6. Judite Gava -– Assis-Sp - 1940 - casada com  João Roberto Martins Costa, teve os filhos:
Roberto, casado com Carla, teve os filhos Maria Júlia e João Roberto, moram em Assis-SP
Fernando, casado com Adriana, teve os filhos: Marina e Lucas, moram em Porecatu/Florestópolis-Pr
Marcos, casado com Terezinha, moram em Londrina-Pr.

7Otávio Gava -– Assis-Sp - 1943 - casado com Guiomar Gava, teve os filhos em Assis-SP: (nascidos na fazenda da Pinguela).
- Luiz Alfredo, casa-se com Suely Gava, não tem filhos.
Luíza Helena, casa-se com Maurício Ferreira de Brito, e tem os filhos: Wilk Thiene de Brito (05/10/1988), moram em Candido Mota.
Lucinéia Gava, casa-se com Mauricio Congiu, e tem a filha: Ana Carolina (03/06/1988) e Nayara Cristina (13/03/1999), e os netos, filhos de Ana Carolina: Raul Pierre e Ruan Thierry, moram em Candido Mota.
Luciano Antonio Gava, casa-se com  Rosane Ribeiro de Andrade, e tem o filho  Raul Otávio (24/03/95).  Em seu  segundo casamento com  Celia Aparecida Pires,   tem o filho: Gustavo (29/07/99), moram em Candido Mota
Leandro Gava, casa-se com..........e tem uma filha de nome Ana Laura, e, residem em Palmital -SP

8. Maria Dulce Gava – Assis-Sp – 1947 - casada com Darci de Almeida, teve os filhos, em Assis -SP:
Marcia, casada com Adão Odorizzi, teve os filhos: Cesar e João Guilherme.
Flavia, casada com José Paulo Flausino, teve o filho João Vitor


Minha mãe, Darcila Gava, que nasceu em Assis-SP, aos 15 de Março de 1.934. Teve uma infância mimada. Morava na fazenda da Pinguela, mas nunca foi uma fazendeira. Tinha medo de andar a cavalo, de tirar leite das vacas, de manusear as colméias, e por isso nunca foi solicitada ao trabalho. Foi uma garota prendada em trabalhos manuais: bordados, tricô, crochê, costura e leitura.

Conheceu meu pai, Oswaldo Camolese Toracio,  também descendente de Italianos da região de Rovigo, Veneto, e que também após a imigração para o Brasil foram morar primeiramente na Região de Ribeirão Preto e depois, quase na mesma época da família Gava, se mudaram para a cidade de Assis-SP.  Conheceram-se em uma festa na fazenda da Pinguela, onde minha mãe morava. Como a fazenda da Pinguela era muito bem estruturada, sempre havia os bailes comemorativos, e, em um desses bailes, lá estava meu pai a espreita do broto.

Casaram-se na Fazenda, em Assis, aos 14 de fevereiro do ano de 1953, Osvaldo Torácio e Darcila Gava, indo morar na Cidade de Londrina, norte do Paraná, onde tiveram 03 filhos, Ogair (eu)_, Waltercides e Marcelo, e aonde estão vivendo felizes até hoje.



Foto:  Igreja da Fazenda da Pinguela, onde meus pais se casaram. 





Foto dos primeiros 4 filhos dos meus avós, da esquerda para a direita:    (Luiza Bortoletto Gava, Otávio Bortoletto Gava, Judite Bortoletto Gava e Darcila Bortoletto Gava), esta última seria minha mãe.
Nesta foto  está faltando a caçula, Maria Dulce Bortoletto Gava.




veja continuação da história da minha família lendo a SAGA DA FAMILIA BORTOLETTO    (clique aqui)


Árvore da Família BASSO que reside em São Bernardo do Campo-SP
(Fornecida por Elci Basso)

Originário de Arzegnano, região de Verona, Itália, o imigrante Giovanni Maria Basso, filho de Bortolo Basso e Anna Furian Basso, nascido em 25/7/1875, chegou ao Brasil na imigração italiana que se deu no fim do século XIX (1878), instalando-se na linha Capivari, no Riacho Grande. Lá estabeleceu-se com uma serraria, que tirava toras diretamente da mata para serem serradas. Essas toras eram transportadas sobre um carretão, como era de costume na época.

No início do século XX, Giovanni, já com seu nome abrasileirado para João Basso, mudou-se para o centro da Villa e abriu a primeira fábrica de móveis de São Bernardo, que mais tarde tornou-se a capital do móvel. Sua indústria chamava-se Fábrica de Cadeiras João Basso, no fim da Rua Marechal Deodoro, onde atualmente temos a rua que leva seu nome. A fábrica foi um marco na história da cidade, passando a chamar-se em seguida Indústria de Móveis Irmãos Basso Ltda. João aprendeu em Jundiaí, no ano de 1905, a arte da marcenaria. Tocava com sucesso a sua fábrica de cadeiras e móveis, instalada em prédio próprio na rua Marechal Deodoro. Em 1922 eram 3 mil metros quadrados ocupados pela marcenaria, carpintaria e serraria. Os filhos de João Basso: Bortolo, Pedro e Luiz, formavam a diretoria da empresa.

João Basso casou-se com Camilla Ballotin, nascida em Vincenza, Itália, em 1881, de tradicional família sambernardense, e dessa união nasceram os filhos: Pedro, Luís, Humberto, Victório, Bortolo e Amélia Furian Basso. Tendo D. Camilla Basso falecido em 1911, João, em segundas núpcias, casou-se com Ignez Bonini e dessa união nasceram: Américo, João Baptista, Yolanda, Eduardo Furian, Inês Brasilina e Armando Giovanni Basso. João Basso gostava muito de caçar e sua personalidade agradava a todos, pai ele era um italiano enérgico, mas muito sociável. Na ocasião da construção de um trecho da Estrada do Mar, a família de João Basso teve a honra de receber, em sua casa, o então presidente Washington Luís, que veio visitar a obra.

No fim de sua vida, João Basso adquiriu em Verona, seu local de origem, uma casa, para onde retornou. Foi exatamente naquela casa, na Itália, que João Basso faleceu, em 11/10/1927, aos 52 anos de idade.

Seus descendentes:

Pedro Basso (Pierin) casou-se com Marcelina Basso, e tiveram um filho.

Luís Basso faleceu solteiro, não deixando descendentes.

Humberto Basso (Berto) faleceu solteiro, não deixando descendentes.

Victório Basso faleceu solteiro, não deixando descendentes.

Bortolo Basso nasceu em 17/10/1900. Trabalhou na Fábrica de Móveis Irmãos Basso até seu fechamento, mudando-se para o município de Piedade/SP onde montou uma serraria com diversos sócios, inclusive um dos Tosi. Retornando a São Bernardo, Bortolo adquiriu o tradicional “Café Expresso" na esquina das ruas Marechal Deodoro e Dr. Fláquer. Em cima do restaurante residia e mantinha consultório um antigos dentistas da cidade, o Dr. Plínio Ghirardello.

Em seu “Café Expresso", Bortolo conheceu o empresário Wallace Cockrane Simonsen, que ali ia almoçar diariamente. Wallace era proprietário do Banco Noroeste, hoje incorporado ao Santander, que ficava quase em frente.

Bortolo casou-se em 1929 com Olga Luchesi e tiveram quatro filhos, e três deles faleceram ainda crianças. Apenas remanesceu a filha Roni Bernardina Basso, nascida em 18/08/1938 , professora de piano (tocava no coral da cidade), que se casou com Rui Natal Fabbri, advogado, sobrinho do ilustre pintor Cândido Portinari, e tiveram os filhos: ,Renato, Rivana e Ronaldo.

a) Renato Basso Fabbri, engenheiro, casou-se com Selma Torres, professora e empresária, filha Giovanna Fabbri, estudante;

b) Rivana Basso Fabbri, vice-reitora da UniFEI, engenheira química, casou-se com Ciro Mattos Marino, engenheiro, e tiveram os filhos Pedro e Mariana Marino, estudantes;

c) Ronaldo Basso Fabbri, representante comercial, casou-se com Amália e tiveram a filha Gabriela Fabbri.

Em 1936/37, Bortolo ingressou na política como vereador. Com o rebaixamento de São Bernardo a distrito, Bortolo Basso fez parte do movimento emancipacionista do município, presidido por Wallace Simonsen e que tinha como membros personalidades como Dr. Plínio Ghirardello, Armando Setti, João Baptista de Oliveira Lima e outros. O movimento autonomista deu certo, e, em 1952, Bortolo foi vice-prefeito de São Bernardo na gestão de Lauro Gomes.

Ainda na década de 1950, Bortolo adquiriu uma casa na rua Marechal Deodoro onde abriu uma loja de móveis, a Fonte Produtora de Móveis, em sociedade com Felipe Berardi, tendo sido esse seu último estabelecimento.

Bortolo Basso foi membro da Società Italiana de Mutuo Soccorso, mais tarde Sociedade Italiana de Beneficência, ex-presidente da Corporação Musical Carlos Gomes e membro do Rotary Club de São Bernardo do Campo.   Bortolo Basso faleceu em 26/3/1978.

Amélia Ângela Furian Basso casou-se em 18/07/1935 com Nino José Masini, de São Paulo, que era torneiro mecânico, tornando-se industrial a partir de 1942. Tiveram dois filhos: Nildo e Nydia Masini.

a) Nildo Masini casou-se com Darci Cristófaro em 20 de abril de 1963 em São Paulo, capital, e tiveram 3 filhos: José Luiz, Marcelo e Adriano Masini. Nildo é empresário, vice-presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (FIESP), vice-presidente da Associação Comercial de São Paulo, vice-presidente da Câmara Ítalo Brasileira de Comércio e Indústria e foi presidente da Nossa Caixa Nosso Banco S.A. Seus filhos:

•José Luiz, administrador de empresas, é separado, tem 3 filhos: Alexandre, Thiago e Isabela Masini.

•Marcelo, administrador de empresas, casou-se com Renata Borelli Barros e tem 3 filhos: Stefano, Carolina e Enrico Masini.

•Adriano é administrador de empresas e solteiro.

b) Nydia Masini é separada, tem 4 filhas: Roberta, Mariana, Tatiana e Paula.

Américo Basso nasceu em 24/7/1913, em São Bernardo. Quando jovem, esteve na Itália e, retornando ao Brasil, destacou-se como cantor, sendo considerado o melhor "baixo" da América Latina. Cantava no Teatro Municipal de SP, com muita freqüência, porém apresentou-se também no Teatro Santana, RJ (com Beniamino Gigli), Argentina e outros locais. Casou-se em 1941 com Aninna Mastrorosa, cantora lírica, que conheceu em suas apresentações e tiveram dois filhos: Maria Ignêz e João Carlos Basso. O auge de sua carreira foi de 1940 a 1952, quando parou de cantar.

Américo Basso, durante os anos de 1954 e 1955, ficou residindo em Recife/SP, onde trabalhava com o Dr. César Beretta, um de seus inúmeros fãs, que fazia estradas para o governo.

Em 1956, Américo voltou a residir em São Paulo para, em 1957, estabelecer-se definitivamente em São Bernardo do Campo, onde fundou a "Organização Imobiliária ABC", empresa de administração de imóveis, na Rua Marechal Deodoro, 879 – 1º andar. Tinha como sócios o irmão, Bortolo Basso, Dr. José Lodi, advogado, e Antonio Carlos Palhares, contabilista. Américo trabalhou na organização até pouco antes de seu falecimento, em maio de 1980. Mesmo sem Américo, a organização funcionou até 1985, já que seu filho, João Carlos, comprou a parte dos outros dois sócios para, em seguida, vender a imobiliária ao advogado Armando Cavinato Filho. A Organização Imobiliária ABC foi uma das maiores administradoras de imóveis de São Bernardo e, após vendida pelo seu segundo proprietário, incorporou-se à Imobiliária Corazza.

Filhos de Américo e Aninna Basso:

a) Maria Ignêz Basso casou-se com Franklin Sternhain, bancário, aposentado pelo Banco do Brasil. Tiveram os filhos: Graziela, Marcelo, Daniel, Nickolas, Débora, Ricardo, Rodrigo e Jéssica Sternhain.

• Graziela, bibliotecária, é mãe de Juarez, Paula, Mariana e Marina, estudantes.

• Marcelo, engenheiro florestal, casou-se com Rosângela, fisioterapeuta.

• Daniel é funcionário público e universitário.

• Nickolas, comerciante, casou-se com Danielle e tiveram a filha: Nicolle, estudante.

• Ricardo, funcionário público, casou-se com Beatriz.

• Rodrigo é estudante.

• Jéssica é escriturária e estudante universitária.

b) João Carlos Basso, corretor de imóveis sindicalizado, é autônomo. Casou-se com Clotilde Alves, funcionária pública aposentada. Tiveram dois filhos: Patrícia e Ricardo Basso. João Carlos tem como hobby o aquarismo, e possui, inclusive, um livro publicado sobre o assunto.

• Patrícia Basso, pedagoga, administradora de empresa de aviação, que se casou com Luiz Eduardo de Castro, administrador de empresa de aviação.

• Ricardo Basso, médico.

João Baptista Basso nasceu em São Bernardo, a 3/9/1916. Aos 16 anos de idade esteve na Revolução Constitucionalista de 1932. Exercia a profissão de mecânico de manutenção, porém, depois de certo tempo, passou a trabalhar na Fazenda Santa Amália, em Ribeirão Preto/SP, onde permaneceu por um curto período, retornando posteriormente a São Bernardo e se instalando em Riacho Grande. Na fazenda, conheceu aquela que seria sua futura esposa, D. Orlanda Flores.

Dessa união nasceram:

1)João Francisco Basso, industrial, que se casou com Paulina Viezzer. Tem os filhos: Margareth, Fábio, Grazieli e Renato Basso.

• Margareth de Cássia Basso, pedagoga, proprietária do Núcleo de Desenvolvimento Infantil Colibri.

• Fábio Márcio Basso, industrial, pai de Caio Basso, estudante;

• Grazieli Basso, fisioterapeuta;

• Renato Basso, industrial, casou-se com Carla Basso e tiveram o filho Vinícius Basso, estudante.

2) Marcos de Jesus Basso, industrial, casou-se com Sílvia Zampieri e tiveram os filhos: Fernando, César e Victor Basso.

•Fernando Basso, engenheiro mecânico;

•César Basso, industrial, formado em educação física;

•Victor Basso, industrial, formado em educação física, casou-se com Clariana Balsanelli, protética.

Os irmãos João Francisco e Marcos fundaram, em 1969, a JF Basso, empresa atuante no ramo de usinagem de peças e fabricação de peças sob encomenda, instalada no Distrito de Riacho Grande, em São Bernardo do Campo. A empresa possui grandes clientes no ABC, São Paulo e interior paulista, fornecendo peças para as mais diferentes indústrias dessas regiões.

João Baptista Basso faleceu em 16/7/ 1999, aos 83 anos de idade .

Yolanda Basso faleceu solteira e não constituiu família.

Eduardo Furian Basso casou-se com Neusa Roland e tiveram quatro filhos: Maria Cecília, Neusa Maria, José Eduardo e Tomás Ignácio Roland Basso.

•Maria Cecília Roland Basso, psicóloga, foi casada com Guairacá Parreiras, e tiveram cinco filhos, um deles, Alexandre Basso Parreiras, formado em odontologia, possui consultório em São Bernardo do Campo.

•Neusa Maria Roland Basso, advogada, tem dois filhos: Eduardo, médico, e Fernando Morais, administrador de empresas.

•José Eduardo Roland Basso, agrimensor e fazendeiro, reside no Pará. Esteve casado com a sra. Shirlei Di Sessa Carvalho, e  tiveram 16 filhos,  12 natimortos e 4 vivos, sendo:  

.. Cecilio Carvalho Basso - Policial e professor, divorciado tem 3 filhos: Luiza Mendes Basso, Pedro Mendes BAsso, João Mendes Basso.   Moram em Formosa - Go

.. Camila Carvalho Basso - Corretora de imóveis,  casada,  tem 3 filhos, Felipe Basso Vale, Julia Basso Ramponi e Salomão Ramponi. Moram em  Tucuruí - PA

.. Carolina Carvalho Basso - Coordenadora Comercial, casada com Jason Emannuel Chaves Lima Canté, tem dois filhos:  Maria Clara Carvalho Cante e Miguel Carvalho Cante.  Moram  em Marituba- PA

.. Catarina Carvalho Basso - Professora,  casada com Fabricio Diesel, tem dois filhos: Caetano Basso Diesel e Yara Basso Diesel  -  Antes do Casamento, teve o filho Antonio Machado, que mora na Bahia e tem 3 filhos. Moram  em Belo Horizonte-MG. 

José Eduardo Roland Basso separou-se de Shirlei e casou-se com Edneya Simones Macedo e teve mais duas filhas, sendo:

.. Maria Eduarda Macedo Basso, mora em Santarém - PA e é fisioterapeuta

.. Fernanda de Macedo Basso, mora em Parauapebas - PA é casada com Vinicius e mãe de Celeste.

•Tomás Ignácio Roland Basso, casado, tem 3 filhos.

Inês Brasilina Basso casou-se com Sebastião de Almeida Penteado e tiveram dois filhos: Tiago e Ana Luiza Basso Penteado.

•Tiago Basso Penteado, falecido, deixou dois filhos: Carolina Barbosa Penteado e Eduardo Penteado, estudantes.

•Ana Luiza Basso Penteado, veterinária, casou-se com Murillo Jaguaribe de Alencar. Tiveram um filho: Caetano Christian, estudante.

Armando Giovanni Basso casou-se com Maria Alcaras e tiveram uma filha: Marisol Aparecida Basso, professora.

A família Basso tornou-se um ícone na história de nossa cidade, principalmente pela atuação de duas figuras de fundamental importância: Giovanni Maria Basso, como pioneiro na indústria de móveis e Bortolo Basso, membro atuante do conselho autonomista. A família cresceu e possui descendentes em diversos ramos, e é reconhecidamente uma tradicional família de nossa metrópole.

Membros da família homenageados por órgãos públicos:

• Rua João Basso (Vila João Basso)

• Vila João Basso (Centro)

• Balsa João Basso (Riacho Grande)

• Rua Camilla (Ballotin) Basso (Bairro dos Casal/Demarchi)

• Rua Bortolo Basso (Centro)

Informações fornecidas por Elci Basso,  que diz:  "Roni Basso é minha amiga e foi ela que me emprestou a revista, pois tem o maior interesse em perpetuar a história de sua família, e eu prometi ajudá-la. Ela tem 72 anos e mora aqui em SBCampo - SP



ÁRVORE DA FAMÍLIA  (Ramo di Monte S. Angelo (Foggia))

(1) Don Marco Basso (Não? †?), Magnífico e rico proprietário de prédios e fazendas nas aldeias de Curti, e Curticelle Catelde, localizado no território de Giffoni Valle Piana (SA). Ele teve  o filho: (2) Don Giovanni Cordeiro Basso (1658 † 1748), magnífico, notário, um rico proprietário, casou-se com  (3) Donna Agnes Barons de Martino, maravilhosa, proprietária rica no território de Giffoni Valle Piana, nascida do casamento do sr (4) Don Jerônimo Basso (1680 † 1730), um rico proprietário, foi o primeiro Basso a escalar a Montanha Sagrada do Gargano, estava unido em casamento com (5) a Mulher Agnes de Mandia de Novi,  proprietária, magnífica, rica, era descendente de uma família de origem Normandia, de parentesco com o príncipe de Salerno, que, no século XII, tinha um conselho, que, de fato, de Novi, prorrogado para mais de 380 quilômetros quadrados; Tiveram os filhos: João Cordeiro Basso e Maria Nicola Basso, que se instalaram permanentemente no Monte S. Angelo, onde geraram numerosos descendentes que floresceu para o compromisso civil, para a totalidade do '700, '800, para atender a primeira metade do século passado. Filho de João, foi:
Giuseppe Luigi Basso, Dr. físico, de espírito aventureiro e patriota e republicano, que, entre muitas coisas em sua vida, escreveu um livro de "Memórias da família desde 1750." Por sua vez, era bisneto de Dom Filippo Maria Nicola Basso, Dr. em física, rico fazendeiro e patriota generoso, famoso pela luta contra o banditismo e a veemência com que ele atacou seus adversários políticos pela publicação de diversos panfletos.
(6) Don Nicola Basso († 1720?), Um fazendeiro rico, filho mais novo de Jerônimo, estava unido em casamento (7) Donna Maria Candida Ciampoli, (Monte S. Angelo † 1745?), Uma rica fazendeira, era  proprietária de prédios, fazendas e até um castelo (Castelo Manganaro) no território do Monte Santo Anjo.
Os Pais de dona Maria Candida Ciampoli foram Don Filippo d'Errico (Monte S. Angelo 1769-1823) médico do latifundiário física, rico, um republicano e um patriota, dirigido ao Monte Santo Angelo, os levantes revolucionários de 1799, e que sofreu após a restauração da monarquia Bourbon, devido a perda dos bens e condenado à prisão, e que serviu na Ventotene, e Donna Michelle Pádua, descendente de uma família ilustre de Monte S. Anjo.

Com o casamento de Dom Nicholas e Donna Maria Candida Ciampoli,  nasceram vários filhos, o último dos quais deu origem ao ramo.

(8) Don Raffaele Sebastiano Basso (Monte S. Angelo † 1787?), Riquissimi proprietário, Doutor, Físico, muito ativo na vida social e política do Monte Santo Angelo, estava unido em casamento com  (9) Donna Maria Francesca d'Errico, (Monte S. Angelo †?), Uma rica fazendeira, era descendente de uma família proeminente do Monte Santo Angel, conhecida por suas atuações cívica, política e social desde o século XVI. Filha de (10) Don Filippo d'Errico (Monte S. Angelo 1769 † 1823), Dr. latifundiário,  físico, rico republicano e um patriota, dirigido ao Monte Santo Angelo, os levantes revolucionários de 1799, após o que ele sofreu após a restauração da monarquia Bourbon, proprietário a perda de bens e condenado à prisão, que serviu na Ventotene, e (11) Donna Michelle de Pádua, rico descende de uma família ilustre de Mount St. Anjo.

A união nasceu um filho:

(12) Don Nicola Basso (Monte S. Angelo 1817 † 1849), um rico proprietário, advogado, juiz, e patriota generoso, herdou de seu avô, (10) Philippe d'Errico, a paixão pela política  republicana, para o qual ele foi levado para morte após a Revolução de 48. Se uniu em casamento com (13) Donna Rosa de Felice,  rica proprietária, descendente de uma proeminente família de Rodes Garganico, em seguida, casou-se com Don Philip Basso (o autor de panfletos políticos), procugino de seu falecido marido.

Desde o casamento de Dom Nicholas Basso com dona Rosa, tiveram dois filhos, Rafaele e Marietta, com  uma idade precoce,  após a morte de seu pai rfecebem uma pensão avaliados na ordem das centenas de milhares de ducados.

Marietta casou-se  com  Don Thomaso Ventrella, um cavalheiro rico de Ischitella no Gargano, com um dote de  30 ducados - Edição 1826

(14) O Cavalheiro Rafaele Basso (Monte S. Angelo Foggia (1842 † 1922), herdou a paixão de seu pai para a política, republicana e de outros antepassados: a idade de 18 anos serviu com a patente de oficial do Corpo Garibaldini (caçadores Ofanto) a 20 anos, ele foi prefeito de Mount St. Angel em 30 tornou-se membro do Parlamento Nacional e permaneceu por dez anos (1872 a 1882), no entanto, serviu por mais de quinze anos como presidente do Conselho Provincial de Capitanata (província de Foggia), ainda é considerado pelos historiadores mais eminente personalidade política do Gargano.

Em uma idade jovem se casou com (15) dona Roxane de Luca, filha  de (16) Don Pietro de Luca, Marquês de Roseto V e de (17) Donna Lucia Saggese, filha  do Marquês de Vetruscelli. Era o neto (pelo lado materno) de (19) Donna Maria Teresa Filomarino, os Duques e Príncipes da Torre da Rocca, que tinha casado com (18) Don Antonio Saggese, Marquês Vetruscelli; Filomarino família, que detinha mais de 90 fazendas entre os principados ducados, marquisados, condados e baronatos, cruzado, no ano de 1000, toda a história do sul da Itália, é particularmente proeminente da família e são personagens o Cardeal Ascanio, conhecido pela suntuosidade de seus palácios, em Nápoles, Ascanio e de seus irmãos e Clemente, cientista e poeta, morto por uma multidão após a restauração Bourbon napolitano após os acontecimentos de 1799.

Com o casamento de Rafaele Basso com a senhora Roxane de Luca Basso,  nasceu uma numerosa prole Roselvira,  Nicola, Pietro ,Maria, Bianca, Lucia, Edwige, Michaele Adriano, que morreu sem filhos e riquissimo em 1951.

(20) N.H. Don Nicola Pietro Maria Basso (Manfredonia Monte Sant'Angelo 1867 † 1941), um rico proprietário, um estudioso de filosofia, um colecionador de livros antigos e valiosos, se uniu em casamento com (21) Donna Maria Iorio (1885 † 1972), com o qual gerou uma prole numerosa (11 crianças), incluindo:

(22) Prof Raffaele Carmine Basso (Nápoles 1910 † 1969), se uniram em matrimônio com a Sra. (23) desequilíbrios Virgínia (Nápoles 1925), filha de Pasquale Squitieri e Pisco Blandina, com o qual gerou quatro filhos: Nicholas (Nápoles 1945), Pasquale (1947), Renato (Nápoles 1949), Anna (Nápoles 1952).



(24) Prof Pasquale Basso (1947), professor, autor do romance histórico intitulado "Legacy", publicado em 2004 pela editora varas; unidos em matrimônio com o professor (25) Victoria Gramigna (Rhodes 1951 Garganico ), com quem ele ressuscitou três filhos: (26) Raphael (Nápoles 1975 - psiquiatra) (27), Virgínia (Nápoles 1976 - professor de história da arte) (28), Alda Maria (Nápoles 1980 - Doutor em Direito ).


INFORMAÇÕES CEDIDAS POR:

RONI BERNARDINA BASSO FABBRI,
MARCOS DE JESUS BASSO,
JOÃO CARLOS BASSO,
NILDO MASINI , 
INÊS BRASILlNA BASSO PENTEADO,
CAROLINA CARVALHO BASSO
ELSI BASSO


Clique também em:

SAGA DA FAMILIA BORTOLETTO
SAGA DA FAMILIA BARETARI
SAGA DA FAMILIA MAGATON

34 comentários:

Mensagens disse...

Olá!
Meu nome é Elci Basso Brogliato. Estou escrevendo à vcs, porque tenho a intenção de fazer um levantamento das famílias Basso, que estão no país. Minha família é de origem de Treviso, Itália. Minha avó, Esther Rachel Casagrande Basso veio para o Brasil em 1920, e se casou com meu avô, Pedro Basso, com 19 anos. Ele veio para o Brasil, especificamente, para SCSul, com +- 17 anos.
Tenho uma revista com a história da família Basso de SBCampo, e contato com outra família Basso, que fica no interior de SP.
E agora li esse blog com a história de outros Basso.
Gostaria de poder verificar a origem de todos eles para chegar em um ponto comum, que é o mais provável.
Aguardo seu contato,
Atenciosamente,
Elci Basso Brogliato
e-mail: ebbf2005@hotmail.com

Anônimo disse...

Olá, Ogair!!!
Fico contente q vc tenha postado a história da família Basso de SBCampo - SP, q te enviei. Assim estarão centralizadas as informações de todos os Bassos. E aqueles q se interessarem por seus antepassados terão aqui a oportunidade de obterem informações preciosas de sua família!!!!
Um grande abraço,
Elci Basso Brogliato

PS.: Estou lhe devendo as informações da minha família, mas brevemente te passarei...

Anônimo disse...

Olá
Sou Rosemarie Basso , filha de Roque Basso e neta de Angelo Basso este vindo da Itália San Donà di Piave, hoje noro na cidade de Sumaré região metropolitana de Campinas.

Por favor entre em contato através do e-mail rosecbasso@hotmail.com

obrigada

Anônimo disse...

Boa tarde gostaria de saber se alguem tem o contato de Ana Luisa Basso Penteado.
fabiokawaye@hotmail.com

Bruno Basso disse...

Muito bom ler a historia de minha familia...
Meu nome e Bruno Basso Sou filho de Thomaz Ignacio Roland Basso.
Estive na Italia no ano passado e passei em algumas regiões da familia...
Parabens pelo texto...

Anônimo disse...

mi nombre es Mabel Basso, soy de argentina mis abuelos paternos,los dos eran Basso de apellido(ERAN PRIMOS Y SE CASARON), VINIERON DE ITALIA A LA ARGENTINA DONDE SE CASARON. MI ABUELO SE LLAMABA PABLO SANTIAGO BASSO T MI ABUELA CARMEN BASSO. MI MAIL mabel_b62@hotmail.com

Anônimo disse...

Minha bisavo se chamava ema basso gostaria de saber se alguem tem alguma relaçao com ema basso

Unknown disse...

Olá, meu nome é Fernanda Basso. Vou me informar sobre os nomes de meus tataravós pra saber se consigo cruzar alguma informação com os familiares mais distantes!

Anônimo disse...

CREIO EU QUE venho da família do

Domênico Basso(Treviso)-casado-Margherita Bianchini(Treviso)

que tiveram o

Antonio Giovanni Basso(Treviso) casado com Maria Luigia Battaggia(Treviso)

dessa origem existem mais alguns parentes que ainda não tenho certeza, preciso completar esse vacuo. Alguem poderia me ajudar?
Mas..resumindo...

Venho da família dos José Basso .
os mais próximos são os de Sta Bárbara do Oeste SP/ Piracicaba SP/ SB Campo SP tb!!!,
. procuro parentes!! .

Obrigada!
BassoN
b_assona@hotmail.com

Anônimo disse...

Olá, meu nome é Fabrício Bassi. Sei que nossos sobrenomes não são iguais, mais ao ler seu texto, por sinal muito elucidador, vi algumas evidências de que embora distante provém de uma única origem. Sou trisneto de Giuseppe Bassi, oriundo de Piemonte e Claudia Guastti Bassi. Gostaria de saber se tens alguma orientação para me auxiliar a entender a origem de minha família. Desde já agradeço!!
Meu e mail para contato é ft.bassi@gmail.com

Ogair disse...

De Carolina Basso:

Boa tarde!

Sou da família Basso, filha de José Eduardo Basso. Amei teu blog e
gostaria de contatos com outros bassos.

Grata

Anônimo disse...

Olá Ogair.
Meu nome é José Luiz Gava, sou natural de Charqueada-SP. Meu bisavô chegou ao Brasil em 1887 e chamava-se Luigi Gava (tinha 38 anos à época da chegada). Era casado com Brigida Trevisol e trouxeram os filhos: Antonio Gava, Giuseppe Gava (meu avô), Elizabetta Gava, Maria Gava, Carolina Gava. Foram todos morar na região de Charqueada. Meu avô assim como seu irmão Antonio Gava casaram-se com irmãs da família Ometto. Bem, posso enviar mais detalhes posteriormente. Tenho interesse em saber qual a relação de parentesco com a família Gava do seu site. Abraços.

Unknown disse...

Olá, bom dia!
Me chamo Victor Basso (Filho de Claudio Basso e neto de Milton Basso - Taubaté/Capital).
Tenho muito orgulho do sobrenome, e quero estampar isso em minha pele (tenho a vontade de tatuar "Basso" desde pequeno) e gostaria de saber qual o brasão oficial da família para incorporar o desenho.
Muito bom ler sobre a história de nossa família, excelente trabalho Ogair.
Um bom dia à todos.
Att.,
Victor.
(vctbasso@gmail.com)

Anônimo disse...

Olá, sou amiga de quase infância de Ana Luiza Basso Penteado, filha de Inês e Sebastião, irmã de Thiago, mas perdi contato com ela desde que foi para a França. Pode me ajudar a contatá-la? Se tiver o email dela, por favor, entre em contato através do email warmbreeze5723@msn.com.
Obrigada,
Renata

Unknown disse...

Olá!
Sou pesquisdora e estou ajudando uma amiga a encontrar a cidade dos avós dela.
Vi que nesta família tem uma Borelli
"Marcelo, administrador de empresas, casou-se com Renata Borelli Barros e tem 3 filhos: Stefano, Carolina e Enrico Masini."
Será que ela pode dizer o nome dos avós, bisavós dela? Se sabe a cidade deles?
Tê-la encontrado foi uma pista muito importante.
Agradeço,
Tereza
tereza.franca@yahoo.com.br

WLR CONFECÇÕES disse...

Elci, meu nome é Marcos Basso, sou de Cianorte-Pr e estou intrigado com seu resumo sobre GIOVANNI MARIA BASSO, pois voce fala que ele abriu serraria em são bernardo, mas na vinda da italia para o Brasil, vieram GIOVANNI MARIA BASSO e ANTONIO BASSO dois irmãos, os quais se instalaram em são joaquim da barra-SP e fundaram a sociedade italiana da época e esses nomes do tio victório, tio luiz, pedro basso, eles são realmente filho do JOÃO BASSO e não de ANTONIO BASSO???

Não estou te contestando não,,,ok...é só uma pergunta, pois me intrigou saber que o JOÃO MARIA BASSO de são joaquim, não é o mesmo de são bernardo...

Anônimo disse...

Antonio Basso é o meu bisavô, o seu filho Orlando Basso, ainda está vivo, qualquer coisa posso perguntar + para ele

Ogair disse...

Todas as informações da família são benvindas. Quem tiver informações, faor enviá-las para o email ogair.toracio@gmail.com.
obrigado

Anônimo disse...

Olá, moro em Cerquilho-SP e sou da família De Nadai. Cerquilho tem muitos De Nadais. Meu avô paterno se chamava Librando De Nadai , viveu 101 anos. Seus irmãos eram: Fioravante De Nadai, Ernesto De Nadai , Maria De Nadai, e outros que agora nao me lembro o nome. Meu avô era caso com Josephina Taglia e teve 11 filhos. Será que somos parentes de todos estes De Nadais citados por você? Parabéns por buscar a história desta família de imigrantes, que tenho certeza que assim como os de Cerquilho, contribuíram e contribuem para um Brasil melhor.abraços.

Solange Basso disse...

Olá,
Meu nome é Solange Basso, faço pesquisa da origem de minha família há alguns anos. Meu avô era GIOVANI BASSO, de Treviso, nascido em 1867. Seus pais SEBASTIANO BASSO E FAVARETO FELICITA. GIOVANI casou-se em Casa Branca - SP ....Tenho sua certidão de casamento, mas até hoje não consegui sua certidão de nascimento para pleitear cidadania. Enfim será que as famílias são próximas? Gostaria muito de saber mais. meu contato: solbasso.sb@gmail.com.

casamv - aluga-se disse...

Olá, sou de Americana SP, meu pai se chama Valdemar Basso, filho de Alcides Basso, tenho parentes em Santa Barbara d'oeste, Campinas, Piracicaba(tupi)....alguém tem alguma informação sobre a origem da família aqui da região de Campinas?

Ogair disse...

ezequiel vianna pereira
09:44 (7 horas atrás)

Bom dia todos,

Me chamo Ezequiel Vianna Pereira e também busco informações sobre minha família para fins de reconhecimento de cidadania italiana.

Sou neto de Virginia Basso Viana (*1895 e +1874) e Bisneto de Luigi Basso/Luiz Basso (mais ou menos*1872 +1946), imigrante de San Doná di Piave provincia de Venezia-Itália.

Ele, Luigi Basso veio para o Brasil por volta dos anos de 1890 e aqui casou-se com Maria de Pieri em 1892 na igreja matriz da cidade de Botucatu, onde sempre viveu e foi onde faleceu.

Teve 11 filhos (América, Emélia, Dante, Carlos Alberto, Hemerlinda, José Frederico, Libânia, Natale, Vitor e entre eles minha avó Virginia).

Todos esses já falecidos e enterrados no cemitério Portal de Botucatu. endereço:http://www.botucatu.sp.gov.br/cemiterio/Busca_Mostra.asp. Natale Antonio Basso, nascido em 09.1.1909 também filho de Luiz Basso, consta data de falecimento de Natale Basso, filho de Luiz Basso em 13/07/1980 com 61 anos.

Quanto a certidão de Nascimento e/ou batismo de Luiz Basso na Itália ainda não consegui, estou procurando..

Tentei postar esta mensagem no forum "Genealogy" mas não consegui. Sabendo algo que possa me ajudar na pesquisa ficarei imensamente grato.
Fiquem a vontade para perguntas.

Um abraço e Feliz 2014!!

Danilo Basso disse...

Caro Ezequiel, boa tarde.

Meu nome é Danilo Basso, sou de Botucatu e bisneto do José Frederico Basso.
Se precisar de alguma informação da minha parte da família, estou à disposição.
Abrçs.

Anônimo disse...

Caro Danilo Basso,
preciso de qualquer informação que possa me ajudar a encontrar a certidão de nascimento do nosso nono Luigi Basso. Vc sabe se alguém da familía já conseguiu o reconhecimento cidadania italiana através da linhagem dele Luigi Basso.
Meu e-mail ezequielvpereira@ig.com.br

willians disse...

olá, sou willians souza basso filho de jair basso e neto de claudio basso e bisneto joão basso...meu bisavo é do interior de são paulo, queria saber qual é a real origem da familia...sou do interior e minas e onde moro só a tem a minha familia com esse sobrenome....
atenciosamente
willians souza basso
e-mail; WS.BASSO@BOL.COM.BR

willians disse...

olá, sou willians souza basso filho de jair basso e neto de claudio basso e bisneto joão basso...meu bisavo é do interior de são paulo, queria saber qual é a real origem da familia...sou do interior e minas e onde moro só a tem a minha familia com esse sobrenome....
atenciosamente
willians souza basso
e-mail; WS.BASSO@BOL.COM.BR

Francisco José Basso disse...

Olá
Sou Francisco José Basso, filho de JOAQUIM BASSO e VITA ANTONIA CAVALLARI BASSO (AMBOS FALECIDOS)
Meu pai era brasileiro, de Santa Rosa do Viterbo SP e filho de JOSÉ BASSO e tinha como irmãos: Amabile,Adélia, Mário, Américo, Irene, Hilário,Natal e Natalino.
Meu avô José Basso era Italiano mas não tenho informações sobre o mesmo pois constitui outra família com a qual viveu até a morte em São Paulo - bairro de Vila Ema.
Lembro-me de tê-lo visto apenas por duas ou treis vezes e Teve filhos com sua ultima companheira mas nãos os conheci.

Anônimo disse...

Olá Ogair e demais Basso's
Parabéns pela iniciativa de relatar a Saga dos Basso's

Sou Luiz Antônio Basso,Engenheiro, nascido em 1961 na cidade de Igarapava-SP e Residente em Campinas-SP. Meu Pai Antônio Maximiano Basso nasceu em 1939, é Filho de Luiz Angelo Basso (1913a+2009)e Lidia Gomes Basso (1913a+2000) . Sou Bisneto de Basso Massimiliano e Anna Manasquini, Ele Nascido em Sá victor de Azola,Itália e ela em Nanto,Italia.Casaram-se em 06/02/1906 em Igarapava-SP. Basso Massimiliano (pode ser o contrário Massimiliano Basso)é filho de Luigi Basso e Deolinda Carrara e Anna Manasquini filha de PHILIP Manasquini e Maria Crema na Itália. Se Alguém tiver alguma informação sobre este ramo dos Basso's por favor não hesite em contatar me : luiz.basso@uol.com.br
19 32919498

karen basso disse...

olá! meu nome e Karen de sousa basso,filha de José Carlos basso,e neta de Elias Giacomo basso e Valcerinda casa basso,moramos em um bairro de caxias do sul,Forqueta Rio grande do sul..

adorei saber um pouco da origem Familia basso..


querendo estra em contato comigo.
karen._s2@hotmail.com

HERO CONTACT disse...

OLÁ, PROCURO NOTÍCIAS SOBRE MARCIA BASSO. ULTIMO CONTATO FOI A MUITOS ANOS ELA MORAVA EM SÃO JOAQUIM DA BARRA - SP.

OBRIGADO.

JOÃO ALFREDO
automotivos@hotmail.com

Ogair disse...

João Alfredo, tudo bom? Minha avó é da Região e a familia da minha esposa também, todos de Sãso Joaquim da Barra. Conheço muito bem a cidade, mas não tive a oportunidade de conhecer a Marcia, lamento.... Espero que o site pode ajuda-lo a encontra-la, pois ele tem bastante acesso. abraço

Anônimo disse...

olá bom saber da origem da familia Basso meus avos Francisco Basso e Ana maria camargo Basso

Anônimo disse...

Bom dia,

Estou interessado em iniciar o processo de cidadania italiana. Minha Bisavó se chamava Izolina Basso (segundo consta na identidade do meu avô).

Como não resido mais em SP, não consegui reunir muita informação sobre ela, sei apenas que ,eu avô nasceu em Olímpia-SP.

Se alguém do blog souber de mais alguma informação, ficaria agradecido se compartilhasse.

Obrigado

Polly Basso disse...

Olá amigos,
Sou Pollyanne Oliva Basso, Filha de Osvaldo Basso e Celia Oliva Basso. Sou neta de Eudorico Basso e Adnir Giulio Basso, somos de Sao José do Rio Preto - SP e região. Bisavô Luis Basso e Thereza Grossi Basso. Vou reunir mais informações da genealogia da minha família Basso para ajudar na associação das informações.
Abraço a todos