quarta-feira, 6 de janeiro de 2010

IMIGRAÇÃO ITALIANA - 1.847 - 1900

 IMIGRAÇÃO ITALIANA - 1.847 - 1900

A Itália foi muito rica,  mas também muito pobre,  principalmente nesse período (1847/1900), já que passavam por momentos difíceis,   encontrando-se em luta sobre a sua futura estrutura. A monarquia, na pessoa do rei do Piemonte-Sardenha, Vítor Emanuel II, apoiado pelos conservadores liberais, teve sucesso quando em 1859-1861 se formou a Nação-Estado, derrotando os partidários de esquerda, republicanos e democráticos, que militavam sob Giuseppe Mazzini e Giuseppe Garibaldi, (esse último fugiu para o Brasil e casou-se com a Anita Garibaldi e participaram de várias guerrilhas aqui no Brasil.). A desejada unificação da Itália (até então a Itália era formada de pequenos Estados, dirigidos por nações Estrangeiras, França,  Espanha, Inglaterra), se deu assim sob a Casa de Sabóia, com a anexação ao Reino de Sardenha, da Lombardia, do Vêneto, do Reino das Duas Sicílias, do Ducado de Módena e Reggio, do Grão-Ducado da Toscana, do Ducado de Parma e dos Estados Pontifícios. Mas, mesmo com a vitória, as guerrilhas e discordância continuaram por longos anos, fazendo com que o sofrido povo italiano buscasse melhores lugares para se morar.

Muitas familias decidiram sair da Itália e vir para a América.  O Brasil,  após a Libertação Escravocata, estava necessitando urgentemente de trabalhadores com conhecimentos (agricultores, pedreiros, marceneiros, etc...) e o governo brasileiro, muita propaganda fez, inclusive dando as passagens gratuitamente aos imigrantes, além de serem beneficiados posteriormente com a compra de terras muito baratas.

Os navios saiam da Itália abarrotados de pessoas querendo um futuro promissor, mas não sabiam ao certo qual seria o destino. Muitas famílias foram separadas Porto de embarque, na Itália,  e outras no Brasil, já que o destino de cada navio era diferente: Uns desembarcariam em Santos, outros em Paranaguá, Niteroi, Florianólolis, Vitória, etc... 
Veja a Saga de algumas dessas famílias nesse Blog.
 (Por Ogair José Torácio)


Ministero per i Beni e le Attività Culturali
Archivio di Stato di Lombardia
Criado por f.veneri
Última modificação2009-07-16 07:21

Nos anos entre 1875 a meados dos anos setenta do século XX, estima-se que cerca de um milhão e meio de italianos imigraram para o Brasil. Destes, os lombardos foram uma parte importante. De acordo com dados fornecidos pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, os emigrantes Lombard no Brasil entre 1876 e 1920 foram 105.973. Nos anos da chegada da massa, representam cerca de 8, cerca de 5% do total italiano.

Os lombardos, como as outras comunidades italianas, desempenharam um papel importante na modernização do Brasil, tornando eficaz o processo de industrialização, a politização das massas ea construção da rede de infra-estrutura que foi viver no século XIX.

A importância da Lombardia e da emigração italiana para o Brasil não era relevante apenas para o aspecto quantitativo, mas também para as semelhanças qualitativas na língua, religião e costumes têm facilitado a assimilação dos imigrantes italianos no tecido social do que qualquer outro brasileiro comunidade. Italianos deixar o seu país, principalmente para o desenvolvimento económico e sócio-cultural. Emigração, por um lado, iluminada Itália a partir de pressões socio-económico do trabalho não utilizados e liberando, por outro lado, encher os cofres do governo com as remessas  dos imigrantes enviado regularmente aos seus familiares.

O italiano foi, em seguida, promover e apoiar a emigração para o Brasil. As cidades da Lombardia durante este período de imigração "subsidiados" eram principalmente "fazendas de café do estado de São Paulo e os principais núcleos de colonização pioneira (Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, Espírito Santo). Um terceiro grupo de imigrantes radicados em cidades como

Rio de Janeiro e São Paulo, onde mais pessoas estão saindo ou fugindo de trabalhar nos campos ou nas colônias e engrossar as fileiras do proletariado industrial. Há muitos testemunhos que revelam o modo como esses anos foram enraizadas na presença da Lombardia nessas cidades, mesmo em produtos físicos, entre eles, o de Gina Lombroso, Pavia, filha de César, o famoso cientista, que ao descrever a cidade de São Paulo, em 1908, afirmou que as lojas "incluem todas as nossas roupas de algodão Lombard, nossa sede Como. Por outro lado, as condições de vida para aqueles que chegam a essas cidades são muito difíceis confirma historiador Emilio franzina, argumentando que os nossos pobres imigrantes fez nesses anos de experiência direta do congestionamento da população ", o jeitinho brasileiro", em situações comparáveis de um ponto de vista, ao de favelas existentes.

Características gerais das famílias emigrantes extração foram predominantemente rural ea forte motivação para finalmente estabelecer um novo lugar para viver e trabalhar, e não apenas para uma estadia temporária no porto.

Querendo rever esses destinos podem ser vistos como tal, 1870-1900 no estado do Espírito Santo foram registrados nos documentos de 1240 sobrenomes de origem Lombard. Hoje, estima-se que mais de vinte mil famílias da Lombardia neste estado. Igualmente forte é a presença Lombard hoje no Rio Grande do Sul, particularmente em áreas em torno de Caxias do Sul, Erechim, Silveira Martins, Santa Maria. Bergamaschi círculos são muito ativos no sul do Brasil, particularmente na área de Criciúma, Santa Catarina.

Do mesmo modo, em cidades metropolitanas e mega da Lombardia e associações italianas é consistente, embora, obviamente, mais difícil de detectar, por causa da forte dispersão e elevado nível de integração, já que muitas vezes dificulta a compreensão das diferenças de origem regional. Em São Paulo é um círculo ativo de Mântua, a Escola de italiano e bairros Bela Vista e Bixiga são alguns dos muitos traços da Lombardia e da cidade italiana.


Archivio di Stato di Mantova
Pesquisa do banco de dados para o Censo
realizado por: Daniela Ferrari

Centro de Documentação sobre Populações italiano e Culturas do Mundo, três de salvaguarda bancos de dados on-line relacionados com o projecto "Encontre suas raízes", que permite,  livre investigação sobre as listas de centenas de milhares de italianos que desembarcou em Nova York, Buenos Aires,  e São Paulo, Paranagua e Vitória (Brasil) a partir das últimas décadas do século XIX e início do século XX.

A província de Mântova, que faz parte da Lombardia, por sua vez, atingiu um número muito grande de imigrantes, especialmente para alguns países da América Latina, especialmente o Brasil e a Argentina. Mais de 30.000 pessoas emigraram.

Uma das primeiras Imigrações em massa,  foi para a Costa Rica, onde uma colônia de aristocratas deu o seu contributo para a construção de ferrovias nesse país, e isso foi um fator consideravel para a emigração em direção a costa do do Brasil, aiunda mais favorecido pela viagem gratuita a partir de Génova ao Rio de Janeiro (veja M. Gandini, Question Sociale ed Nel Emigrazione Mantovano (1873 - 1896), Mantova 1981, passim).

Por causa da miséria que então inundava a Itália,  milhares e milhares de pessoas deixaram suas cidades e a foram realizar trabalho duro nos campos, oficinas de trabalho sobre as estradas de ferro, nas cidades distantes de sua terra Natal.

Eles contribuíram para o desenvolvimento positivo dos países de acolhimento e enquanto que em uma determinada maneira, contribuíram para o bem-estar do seu país de origem, onde enviado uma boa parte das suas poupanças. Para lidar com os efeitos duros, em locais muitas vezes hostil, desenvolveram formas de agregação e de ajuda mútua.

Para as primeiras gerações de Imigrantes, as  associações eram lugares-chave encontro e de ajuda mútua, muitos dos expatriados com a mala de cartão "poderia apoiar-se mutuamente, contribuindo para a emancipação das condições de atraso e pobreza  e constantes mudanças no desenvolvimento no país mãe.

As diferentes formas de associações também têm representado um tecido conjuntivo e sólidos campo da identidade cultural para os italianos residentes no estrangeiro.

Depois de mais de um século, a viagem é repetido para trás, muitos descendentes de emigrantes quero saber as suas raízes movendo os passos de seus avós. Pedidos de cidadania alcançaram um forte aumento a partir de quando a lei número 91, de 5 de fevereiro de 1992 e regulamentos executivos, permitem a cidadania pedido de italiano para estrangeiros, cujo pai ou mãe, ou uma linha reta para cima na segunda série (ou avós), os cidadãos têm sido Italianos.

O nascimento do pai ou da mãe ou um avô é um dos papéis mais necessário para isso. O reconhecimento da cidadania italiana, porque é o estímulo que se move muitos descendentes de emigrantes para a investigação do padrão de seus antepassados.

Os pedidos vêm das mesmas pessoas envolvidas, que residem em localidades que pertencem principalmente ao estado de São Paulo, no Brasil, mas também dos consulados, agências e postos consulares, Trusts, comitês, associações, centros especificamente nascido

(CEDITALIA, Centro Documentazione ed Informazioni d'Italia).

Quando você tem uma necessidade de iniciar uma investigação neste domínio, especificar entre "Stato Civile" e "Anagrafe. "Stato Civile" é o escritório que lida com todos os registros cimentos, óbitos e casamentos, enquanto que "Anagrafe" (do verbo significado Grieco cadastro, registro) lida com todas as flutuações da população, ou as residências e os seus Cambiamento, os censos, imigração e emigração.

Na década seguinte, a unificação da Itália (1861-1871) começou a operar regularmente todos os municípios (que são mais de 8.000) dos gabinetes de recenseamento e Censos.

Antes deste período, deve aplicar-se às paróquias. Na Itália, de fato, para o etade do século XVI, os padres da Igreja Católica a forçou a ter registros dos batizados (e o de nascimentos), óbitos e casamentos. Assim, as instituições que só de fornecer uma certidão de nascimento são os municípios, desde a unificação da Itália, em frente e nas paróquias, para o período anterior à Unidade.

Muitas vezes, os pedidos, que agora vem principalmente dos países da América do Sul, falta de referências precisas no que diz respeito ao nascimento exata da Câmara Municipal avós.

Neste caso, torna-se necessário fazer acervos arquivísticos pesquisa cruzada garantia e registros de quinta são preservados no Arquivo do Estado, e através deles pode ser atribuída aos municípios e ao nascimento.

Para atender às solicitações cada vez mais numerosas de mais de quinze anos no Arquivo Estado de Mântua estabeleceu um índice do banco de dados colocando em cerca de 180.000 nomes vêm de mais de 520 recordes em cinco, que dizem respeito à população residente no masculino Província de Mântua entre 1847 até 1900. Em cada guia existe nome de batismo e sobrenome, nome de seu pai, o nome de sua mãe, data e local de nascimento, profissão, cidade de Cidade de residência nascimento e que nós pedimos para enviar The Game essoas diretamente envolvidas. Para aqueles que nasceram antes da unificação da Itália, implicam a Diocese de Mântua, que coordena a pesquisa nos arquivos da paróquia.

O objetivo é garantir um serviço que propriamente pertence a cada cidadão, e em vez disso são
muitas vezes se torna uma pista de obstáculos entre o Arquivo do Estado, arquivo Câmaras Municipais, dioceses e paróquias, que acrescentou as dificuldades inevitáveis devido às longas distâncias e da diversidade linguística.

Desde setembro de 2007 estão disponíveis na rede de dados, arquivos de  Mantoves, com 180.000 nomes dos iomigrfantes da Província de Mântova entre 1847-1900.

11 comentários:

paulo farina disse...

Parabéns. Excelente trabalho de orientação para pesquisa. O meu caso é justamente antes da unificação. Tenho ideia que meu bisavô tenha emigrado para o Brasil, precisamente, do município de Tramutola, Província de Potenza, na década de 1850. Pelo que tenho pesquisado, um período de difícil pesquisa devido à não unificação. Pelo que entendi do seu texto, provavelmente, esse período os registros ficavam a cargo das paróquias? Estou buscando conhecer meus ancestrais italianos. Caso possa me ajudar, ficaria muito agradecido. Obrigado.

Mayara Silveira Mariano disse...

Alguém pode me ajudar, o biso do meu esposo se chama José Magri filho de Henrique Magri e Clotilde Morceli vindos da região de Mantova na Itália não sabemos o ano :(

Unknown disse...

Gonzagas de mantova !! Já ouvi da minha avo que somos descendentes de italianos com sobrenome Gonzaga! Ela diz que o pai dela é descendente de italianos , mas nunca encontrei nada a respeito :-(

Andreia gomes ferreira disse...

Estou a procura também de meus descendente Sobre nome boldrini pelo que já pesquisei grandes possibilidade de terem vindo de mantova minha vó se chamava Angelina boldrini e bisavo Maria boldrini e meu bisavô Luís ou Eitor ettor não tenho certeza boldrini será que tem alguém que possa me ajudar obrigado

Andreia gomes ferreira disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Catia Griebler disse...

Ola, Procuro por meu tataravo Policarpo cappelletti e o filho dele Olivo Cappelletti, vindos da Italia para caxias do sul em 1876, procuro navio, matricula , ou algo parecido, mas nao acho nada.

Allan Gonzaga disse...

Catia Griebler eu conheço um cappelletti tambem ... trabalhei com um aqui em Belo Horizonte... talvez seja um parente seu .. , mas eu esqueci o primeiro nome dele.. carece de pesquisas... talvez seja parente seu e saiba alguma coisa... heheh

Turma 75 de Geologia disse...

Olá Cátia,
Também sou tataraneto de Policarpo e bisneto de Olivo Cappelletti e tenho todos os dados que necessitas. Favor entrar em contato pelo email irineucapeletti@yahoo.com.br. ABS, Irineu Capeletti

Andreia Bruzan disse...

Boa noite meus tataravós Seragim Bruzan e Virginia Thereza Bruza,nascidos na Itália ,vieram para o Brasil na epoca. Se alguem sluber algo sobre a Família Bruan me mandem noticias! Obrigada

Andreia Bruzan disse...

*Se alguem souber algo sobre a família Bruzan, me mandem notícias! Obrigada*

Aparecida Scarinci disse...

Preciso de informações sobre meu avô Fernando Scarinci, morava em Minas, meu pai ficou orfão aos 6anos então ele deve ter falecido em 1932, não encontro referências sobre por qual porto teria ele entrado, se alguém puder me ajudar meu email: cidacarinci @gmail.com. Obrigada.